Capa da Página Marília Mendonça nega sofrimento com o fim do noivado: ‘Estou mais livre, mais solta, mais feliz’ - Revista - ESPACIAL FM Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 9º MIN 25º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Notícias - Revista

23/08/2017 às 10:20h

Marília Mendonça nega sofrimento com o fim do noivado: ‘Estou mais livre, mais solta, mais feliz’

Facebook

Minutos antes da cena, Marília Mendonça avisa que está nervosa, que mal conseguiu dormir tamanha a ansiedade. Ao subir ao palco da Gafieira Estudantina para gravar sua participação em “A força do querer”, adiada três vezes por conta da agenda bombada — só em agosto será um total de 21 shows —, ela cumprimenta a todos e retribui os gritinhos do elenco e da figuração com sorrisos. Mas é só o diretor Pedro Vasconcellos gritar ação para a cantora relaxar e mostrar o seu poder com o hit “Eu sei de cor”.

A gravação acontece dez dias depois de a cantora, como diz a letra do seu atual sucesso, jogar a chave fora da porta de um amor que ela não quer mais abrir.

“Sofrência sempre vai existir. Sempre falo com a galera que, com ou sem alguém, eu vou cantar sofrência. Sofrência é a realidade das pessoas. Não estou sofrendo agora. Estou num momento de paz, muito mais tranquilo, não que ele (o ex-noivo Yugnir Ângelo) me atrapalhasse. Estou me sentindo mais livre, mais solta, mais feliz”, disse ela ao EXTRA, garantindo que não pretende abandonar o gênero que a tornou um fenômeno nacional:

“Gente, não pensem que minha musicalidade depende do meu relacionamento. Porque, se depender, Marília Mendonça vai cantar funk agora. A gente só anda escutando funk por onde a gente vai, muito feliz, numa vibe muito legal”.

Marília Mendonça chega de van para a gravação da novela Foto: Nilton Carauta

Apesar de tanto sucesso, Marília Mendonça tem seus momentos de solidão. Foi exatamente num deles que ela decidiu sair para correr sozinha como aparece na foto que viralizou na internet.

“A gente se acostuma a estar perto de alguém toda hora... Como o Yugnir andava muito comigo, é difícil se acostumar com a solidão. Eu estava em casa, parada, e pensei o que poderia fazer. Estava de folga. Peguei meu fone de ouvido e saí. Queria ficar sozinha, ouvir música e espairecer. Minha mãe veio atrás de mim, assustada, dizendo que nunca tinha me visto saindo para correr”, lembra aos risos.

Fonte: Globo.com

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: