Capa da Página Caixa-preta de avião que caiu nos alpes franceses está danificada - Destaques - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 6º MIN 23º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Destaques

25/03/2015

Caixa-preta de avião que caiu nos alpes franceses está danificada

Facebook

O ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, reconheceu nesta quarta-feira (25) que a caixa-preta do avião da companhia aérea Germanwings que caiu na terça (24) nos Alpes franceses está danificada, mas que será possível analisá-la.

A caixa-preta do aparelho que grava vozes e sons (a outra caixa registra parâmetros técnicos) chegou nesta manhã em Paris, onde está sendo vistoriada pelo Escritório de Investigação e Análise (BEA) para a segurança da aviação civil.
O BEA divulgou imagens do equipamento, nas quais é possível ver os danos.

Em entrevista à emissora "RTL", o ministro indicou que vai ser possível reconstituir os dados dessa caixa, a que grava as conversas dos pilotos, para tentar esclarecer o incidente.

O secretário de Estado de Transportes francês, Alain Vidalies, explicou em entrevista à emissora "Europe 1" que a caixa será provavelmente avaliada em duas fases.

"Se há vozes humanas, será feito muito rapidamente. Depois se trata de analisar os ruídos, isso pode requerer várias semanas", detalhou Vidalies.

Embora não haja conversas na última meia hora, será possível estudar os sons registrados na cabine, mas esse é um processo 'muito mais preciso e mais longo' que pode levar 'semanas ou meses'.

O avião, com destino a Düsseldorf (Alemanha), caiu por motivos desconhecidos em uma zona alpina, quase uma hora depois da decolagem de Barcelona.

O Ministério Público de Marselha acredita que nesta tarde serão conhecidos os primeiros resultados da análise da caixa-preta.

Em declarações a um grupo de jornalistas, o promotor encarregado do caso, Brice Robin, explicou que "talvez tenhamos um primeiro resultado da análise da caixa-preta no final desta tarde, mas os exames complementares demorarão vários dias".

Buscas
Os trabalhos de busca dos corpos e dos destroços da fuselagem do avião, na qual participam mais de 600 bombeiros e militares, foram retomados na primeira hora desta manhã.

imagemA prioridade nesta quarta será recuperar a segunda caixa-preta. A primeira já foi encontrada e encaminhada para Paris, onde já foi iniciada análise. O equipamento está danificado, mas as autoridades esperam conseguir recuperar informações relevantes para a solução do acidente.

O início dos sobrevoos dos helicópteros encarregados de transportar os investigadores ao local exato da queda, de acesso impossível por estrada, começou pouco depois, às 8h (4h de Brasília).

As equipes de buscas quase não têm esperanças de encontrar alguma vida entre os 150 ocupantes do avião, seis deles integrantes da tripulação.

Os destroços estão localizados em uma região de 2 mil metros de altitude, e segundo o general francês David Galtier, "os pedaços de corpos humanos localizados não são maiores que uma pequena maleta".

Vítimas
Segundo o premiê francês, Manuel Valls, os passageiros a bordo do avião eram pelo menos 10 nacionalidades diferentes. A maior parte era da Alemanha e da Espanha. Também foi confirmada a presença de cidadãos de Argentina, Austrália, Bélgica, Colômbia, Dinamarca, Grã-Bretanha, Israel, Japão, Marrocos, México e Holanda.

O CEO da Germanwings, Thomas Winkelmann, divulgou nesta quarta uma lista atualizada das nacionalidades das pessoas a bordo do avião. Segundo ele, a aeronave levava 72 alemães, 35 espanhóis, dois australianos, dois argentinos, dois iranianos, dois venezuelanos, dois norte-americanos, um britânico, um holandês, um colombiano, um mexicano, um um dinamarquês, um japonês, um belga e um israelenses.

A nacionalidade de algumas vítimas ainda é incerta, especialmente devido a casos de dupla nacionalidade.
Também há conflito com informações passadas por governos locais. O Reino Unido informou que três britânicos no voo. Já o governo espanhol disse que havia 49 vítimas espanholas na aeronave, e não 35.

Fonte: G1

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: