Capa da Página Caminhoneiros ameaçam parar em Minas por falta de reajuste da tabela de frete - Destaques - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 13º MIN 37º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Destaques

19/08/2019 às 08:09h

Caminhoneiros ameaçam parar em Minas por falta de reajuste da tabela de frete

Facebook

O Sindicato dos Transportadores de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sinditanque-MG) anunciou estado de greve a partir deste domingo (18). Segundo o presidente da entidade, Irani Gomes, a categoria pode parar a qualquer momento se não houver o reajuste na tabela de frete.

A reivindicação dos transportadores é a análise específica do setor de transporte de combustíveis e derivados do petróleo para a imposição do frete mínimo. De acordo com Gomes, a tabela que saiu em 2018 após a greve dos caminhoneiros não contempla os custos do transporte de cargas perigosas.

A condição para que a categoria não pare é a marcação de uma reunião com autoridades da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e as associações que representam as distribuidoras de combustíveis. O Sinditanque-MG espera que, até esta segunda-feira (19), já tenha uma posição e uma agenda, do contrário, os cerca de mil transportadores sindicalizados em Minas devem parar.

As associações que representam as empresas distribuidoras também têm dificultado o diálogo sobre o tema, conforme o presidente da entidade sindical. De acordo com Gomes, a própria ANTT já tentou reuni-los na última semana, mas ninguém compareceu.

Impactos

O transporte de combustíveis em Minas, segundo o Sinditanque, é o segundo maior do país, perdendo apenas para São Paulo. "A paralisação dos transportadores pode significar desde desabastecimento em postos de combustível até prejudicar a operação em aeroportos", disse. O Aeroporto de Belo Horizonte, em Confins, conforme Gomes, depende inteiramente dos transportadores para receber combustível. Em Brasília, transportadores mineiros abastecem 30% da necessidade do aeroporto.

Em maio de 2018, o país enfrentou cerca de um mês de problemas causados pelo desabastecimento em decorrência da greve dos caminhoneiros, que reivindicava, entre outros temas, a tabela de frete mínimo e a correção nos preços do diesel.

Fonte: Hoje em Dia

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: