Capa da Página Carrasco decide, Atlético perde para Palmeiras no Mineirão e deixa liderança do Brasileiro - Esporte - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 9º MIN 25º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Esporte

ATLÉTICO MG

'Carrasco' decide, Atlético perde para Palmeiras no Mineirão e deixa liderança do Brasileiro

12/05/2019 às 20:20h

Facebook

Bruno Henrique. Sempre ele. Na tarde deste domingo de Dia das Mães, o volante marcou os dois gols que decretaram a derrota do Atlético por 2 a 0 para o Palmeiras no Mineirão, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o time alvinegro perde os 100% de aproveitamento na competição e deixa a liderança.

Autor de três gols contra o Atlético em 2018, Bruno Henrique voltou a ser o ‘carrasco’ da equipe mineira. No finalzinho do primeiro tempo, recebeu livre e, de fora da área, chapou no ângulo do goleiro Victor. Aos 7’ da segunda etapa, num lance muito parecido, voltou a balançar as redes.

A partida colocava frente a frente primeiro e segundo colocados do Brasileiro ao fim da terceira rodada. Com a derrota, o Atlético cai da primeira para a terceira colocação, com nove pontos - um a menos que o agora líder Palmeiras.

As equipes voltam a campo pela quinta rodada da Série A no próximo sábado, às 19h. O Atlético recebe o Flamengo, em Belo Horizonte, no Mineirão ou no Independência. No Allianz Parque, o Palmeiras faz clássico contra o Santos.

Antes do jogo pelo Brasileiro, o Atlético concentra atenções na partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. Nesta quarta-feira, a partir das 19h15, a equipe encara o Santos, no Independência.

Golaço desequilibra primeiro tempo equilibrado

Como esperado, o Atlético tentou - com sucesso - manter a posse de bola nos minutos iniciais do jogo. Pelas pontas, o lateral-direito Guga e os atacantes Geuvânio e Chará eram os mais acionados, mas pararam na marcação dos vaiados Marcos Rocha e Diogo Barbosa. As primeiras boas oportunidades foram do Palmeiras. Deyverson, aos 8’ e aos 12’, recebeu na área, livre de marcação, mas finalizou mal, para fora.

Após os 15’, a intensidade aumentou, e o jogo de transição e muita velocidade imperou por alguns minutos. Bom para o rápido Geuvânio, que teve a primeira boa oportunidade do Atlético. Aos 18’, o atacante tabelou pela direita e chutou rasteiro. O goleiro Weverton defendeu e empurrou a bola para escanteio. Aos 21’, o arqueiro palmeirense precisou fazer importante intervenção após chutaço de Réver de fora da área.

Luan, Chará e Geuvânio eram saídas importantes em contra-ataques. O técnico interino Rodrigo Santana posicionava os três à frente dos demais jogadores do Atlético quando o Palmeiras cobrava faltas laterais ou escanteios. A estratégia, porém, não resultou em chances claras, já que o passe para os velocistas não saía com qualidade.

Na reta final do primeiro tempo, o Palmeiras voltou a criar oportunidades. Aos 43’, Dudu finalizou após passe de Marcos Rocha, mas a bola foi para fora. No minuto seguinte, o time alviverde povoou o terço ofensivo do campo. Após bate-rebate, Raphael Veiga rolou para Bruno Henrique, sem marcação. De fora da área, o volante chapou no ângulo e fez um golaço: 1 a 0.

Sempre ele

A segunda etapa começou com um forte baque para o Atlético. Aos 7’, Dudu recebeu pela direita, passou por Fábio Santos e encontrou Bruno Henrique - sempre ele - livre na entrada da área. O volante finalizou novamente de chapa - e novamente com precisão - para ampliar o marcador: 2 a 0. As vaias, então, mudaram de lado.

Torcedores do Atlético, que pegavam no pé dos adversários Marcos Rocha e Diogo Barbosa, passaram a criticar Fábio Santos. O centroavante Ricardo Oliveira, que viveu tarde apagada no Mineirão, também passou a ser alvo de protestos.

Depois do segundo gol do Palmeiras, Rodrigo Santana reagiu imediatamente: tirou o volante Adilson e colocou Nathan no jogo. Na sequência, Elias recebeu cruzamento rasteiro já na grande área e finalizou sobre o gol.

A mudança fez o Atlético se lançar ao ataque. Apesar do maior volume de jogo no campo ofensivo, faltavam chances claras aos donos da casa. Alerrandro e Vinicius, então, entraram nas respectivas vagas de Ricardo Oliveira e Geuvânio.

Pouca coisa mudou. O Atlético insistia, apostava em bolas aéreas e buscava formas de incomodar o Palmeiras. A defesa menos vazada entre os times de Série A no ano, entretanto, se portou bem até o fim.

ATLÉTICO 0 X 2 PALMEIRAS

Fonte: Super Esportes

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: