Capa da Página Cruzeiro cria pouco, vacila na defesa e perde confronto de ida da semifinal para o Grêmio - Esporte - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 13º MIN 31º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Esporte

CRUZEIRO MG

Cruzeiro cria pouco, vacila na defesa e perde confronto de ida da semifinal para o Grêmio

17/08/2017 às 09:06h

Facebook


Nada de jogar para ganhar. Tetracampeão da Copa do Brasil, o Cruzeiro esteve longe de incomodar o petacampeão Grêmio no primeiro jogo das semifinais da competição e perdeu por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. Com o quarteto ofensivo apagado (Robinho, Thiago Neves, Alisson e Rafael Sobis), o time celeste só deu um chute perigoso, com o lateral-esquerdo Diogo Barbosa, no início do segundo tempo. Em compensação, sofreu grande pressão do time gaúcho na etapa inicial e tomou o gol do revés aos 45 minutos, em finalização de Lucas Barrios. O placar poderia ter sido maior para o Grêmio, mas Fábio fez duas boas defesas em conclusões de Luan e Pedro Rocha.

Na próxima quarta-feira, às 21h45, as equipes se enfrentam pelo duelo de volta, no Mineirão. O Cruzeiro precisa vencer por dois gols de diferença para avançar no tempo normal. Se ganhar por 1 a 0, o classificado será decidido na cobrança por pênaltis. Já o Grêmio, apesar de ter triunfado por diferença mínima, comemora o fato de não ter sofrido gol como mandante. Desta forma, poderá perder em Belo Horizonte por um gol de desvantagem, desde que marque ao menos uma vez.

Antes de se reencontrem na Copa do Brasil, Cruzeiro e Grêmio vão jogar no domingo, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, provavelmente com escalações alternativas. Os mineiros recebem o Sport às 16h, no Mineirão. Os gaúchos enfrentam o Atlético-PR às 11h, em Porto Alegre.
Discurso cai por terra

O discurso do técnico Mano Menezes de que o Cruzeiro jogaria para ganhar em Porto Alegre caiu por terra no primeiro tempo. Foi o Grêmio quem comandou as ações da etapa inicial. Sempre com a posse de bola no campo de ataque, o Tricolor poderia ter inaugurado o placar já aos 12min, quando Luan cruzou do lado esquerdo e Barrios cabeceou à queima-roupa no canto direito. Fábio fez milagre e defendeu com a ponta dos dedos.

Os comandados de Renato Gaúcho praticavam o conhecido estilo de jogo de toque de bola e movimentação. Luan, cérebro do time, circulava por todas as faixas do campo de ataque, enquanto Pedro Rocha era o homem perigoso pelas beiradas. Isso sem contar as chegadas constantes do trio de volantes Michel, Arthur e Ramiro.

Em meio ao amplo domínio gremista, o Cruzeiro não deu nenhuma perspectiva de que exigiria alguma intervenção difícil de Marcelo Grohe. A única bola que foi ao gol saiu dos pés de Lucas Silva, num chute sem força da entrada da área, aos 26min. No mais, o time celeste conseguia trocar passes apenas no campo de defesa. Quando ultrapassava a linha de meio-campo, era facilmente desarmado. Thiago Neves, por exemplo, contabilizou sete perdas de posse na etapa inicial. Já Rafael Sobis pegou pouco na bola, acertando 11 passes apenas, de acordo com o Footstats. Até o lateral-esquerdo Diogo Barbosa, espécie de válvula de escape da equipe, errou muito na transição da defesa para o ataque.

O Grêmio se aproveitou da inoperância cruzeirense e continuou em cima. Aos 35min, Pedro Rocha fintou Henrique e arriscou de fora da área. Fábio voltou a defender bem, desta vez em salto no canto direito.

Aparentemente, o Cruzeiro se mostrava muito satisfeito com o 0 a 0, até pelo pouco que fez na etapa inicial. O Grêmio não. Aos 45min, o time da casa tentou seu último avanço. Pedro Rocha recebeu pela esquerda e passou para Luan, que não foi acompanhado de perto por Henrique e Lucas Silva. O chute do camisa 7 gremista não foi tão forte, porém Fábio deu rebote. Na sobra, nem Murilo e muito menos Leo estavam próximo a Lucas Barrios, que só teve o trabalho de empurrar para as redes e marcar seu quinto gol na Copa do Brasil:1 a 0.

Poucas chances

Se quisesse sair de Porto Alegre com um resultado melhor, o Cruzeiro tinha a obrigação de melhorar seu rendimento. Era preciso que Thiago Neves, Robinho e Rafael Sobis, principais referências no ataque, aparecessem mais. Quem arriscou primeiro, entretanto, foi Diogo Barbosa. Herói da classificação nas quartas de final ao marcar no empate por 1 a 1 com o Palmeiras, no Mineirão, o lateral fez boa jogada aos 2min, quando recebeu passe de Robinho, tirou Arthur da jogada e bateu de pé direito, obrigando Grohe a espalmar. Aos 6min, Thiago Neves teve oportunidade num lance de contra-ataque, mas chutou fraquinho, nas mãos do goleiro adversário.

Passados 10 minutos de domínio azul e branco, o Grêmio voltou a incomodar. Aos 15min, Luan foi derrubado por Ezequiel na entrada da área e o árbitro Marcelo Aparecido de Souza apontou pênalti. Só que os jogadores celestes protestaram e alegaram que a infração foi cometida na meia-lua. Depois de consultar seus assistentes, o juiz voltou atrás e marcou a falta corretamente. Na cobrança, Luan acertou a barreira.

A partir dos 20 minutos do segundo tempo, a qualidade do jogo caiu. Com a tranquilidade de estar à frente no placar e sem sofrer gols em sua casa, o Grêmio abriu mão da posse de bola para apostar nos contragolpes. Já o Cruzeiro não soube propor o jogo quando teve a redonda em seu domínio. Mano Menezes até tentou dar sangue novo à equipe com as entradas de Raniel e Elber (saíram Sobis e Robinho). O camisa 36 quase se consagrou em jogada individual aos 47 minutos, mas Grohe saiu para o abafa e assegurou a vitória tricolor por 1 a 0.

GRÊMIO 1X0 CRUZEIRO

Fonte: Super Esportes

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: