Capa da Página Pandemia aumentou engajamento e resiliência de funcionários na empresa, diz pesquisa - Economia - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 12º MIN 25º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Economia

19/04/2021 às 08:00h

Pandemia aumentou engajamento e resiliência de funcionários na empresa, diz pesquisa

Facebook

Pesquisa realizada pela ADP Research Institute, no fim de 2020, em 25 países em todo o mundo, incluindo o Brasil, mostra como a pandemia influenciou o envolvimento dos funcionários e sua resiliência no local de trabalho. Apesar de globalmente o envolvimento dos profissionais continuar baixo, no Brasil houve aumento no ano passado.

Em comparação com o estudo anterior, realizado em 2018, a porcentagem de funcionários totalmente envolvidos em nível global diminuiu um ponto percentual. Hoje, 14% dos trabalhadores estão totalmente engajados. Arábia Saudita (21%), Índia (20%) e África do Sul (19%) lideram a pesquisa. Já Coreia do Sul, Taiwan e China são os países com menor taxa de engajamento, com 6%, 8% e 8%, respectivamente . No Brasil, houve um ganho de 4 pontos percentuais no engajamento dos trabalhadores, que subiu de 14% em 2018 para 18% em 2020.

No caso da resiliência, o índice também é baixo. Apenas 15% dos colaboradores em todo o mundo são altamente resilientes. Os países com maior porcentagem de funcionários altamente resilientes são: Índia (32%), Arábia Saudita (26%) e Emirados Árabes Unidos (24%). Já os com a menor taxa são Taiwan, Suécia e Coreia do Sul, com 8% cada. No Brasil, a taxa de trabalhadores altamente resilientes chega a 16%.

No estudo, o engajamento é definido como uma atitude positiva e dedicada em relação ao trabalho e ao empregador. Já a resiliência é definida como a capacidade de resistir a condições desafiadoras no local e durante o trabalho. Foram entrevistados cerca de 27 mil colaboradores.

Experiência pessoal com a Covid aumenta resiliência

As pessoas que tiveram uma experiência pessoal com a Covid-19 demonstraram níveis mais elevados de resiliência. Esse nível variou bastante por país e tipo de trabalho: 61% dos egípcios e 51% dos brasileiros têm sido afetados pessoalmente, enquanto apenas 6% dos japoneses e 5% dos taiwaneses sentiram o efeito.

Além disso, as mudanças no local de trabalho devido à pandemia acabaram produzindo efeitos secundários na economia e nas empresas. Entre as mudanças apontadas pelo estudo estão maior uso de tecnologia, mais horas de trabalho, migração para o trabalho virtual, demissões, diminuição de salário ou de jornada, incentivo a tirar férias antecipadas, promoções colocadas em espera, entre outras.

Segundo Mariane Guerra, vice-presidente de Recursos Humanos da ADP na América Latina, a experiência de mudança também influenciou nas expectativas das pessoas em relação ao futuro do trabalho. Quanto mais mudanças os trabalhadores experimentaram, maior a probabilidade de preverem que elas se tornariam permanentes. No geral, 97% dos trabalhadores experimentaram uma ou mais dessas mudanças. Nenhum país ficou abaixo dos 90% de seus trabalhadores passando por mudanças como resultado da Covid-19.

Fonte: G1

Foto: Thomas Peter/Reuters


Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: