Capa da Página Rejeitos da barragem já avançaram por 17 cidades cortadas pelo rio Paraopeba - Destaques - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 14º MIN 36º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Destaques

09/02/2019 às 08:00h

Rejeitos da barragem já avançaram por 17 cidades cortadas pelo rio Paraopeba

Facebook

Pelo menos 17 municípios cortados pelo rio Paraopeba já receberam a lama da barragem da Mina do Feijão, após a tragédia de Brumadinho, na Grande BH, há duas semanas. Os rejeitos percorreram cerca de 150 quilômetros e, com as chuvas dos últimos dias, mais resíduos devem ser levados para o curso d’água, segundo a Fundação SOS Mata Atlântica.

Ao todo, cerca de 12 milhões de metros cúbicos estavam armazenados no reservatório da Vale. Porém, a empresa afirma que ainda levanta o volume exato do vazamento. Até o momento, os mapeamentos feitos pelos órgãos ambientais detectaram que a turbidez da água – referência para medir a presença de detritos – continua acima do aceitável nos 45 primeiros quilômetros do rio.

Os impactos já são sentidos por cidades que dependem do Paraopeba. Há três dias, Pará de Minas, na região Central, decretou situação de emergência: a captação de água, que atendia a 100 mil habitantes, ficou comprometida.

A 30 quilômetros dali, em Florestal, a mudança no aspecto da água preocupa os ribeirinhos. O principal receio é que os rejeitos contaminem as plantações e o capim que alimenta o gado, na zona rural. “O foco agora é levantar quantos pescadores, agricultores e famílias podem ser afetados”, afirma o prefeito da cidade, Otoni Alves de Oliveira Melo.

Prejudicados

Conviver com a alteração do Paraopeba tem sido tarefa difícil para a dona de casa Cleonice dos Santos, de 52, que mora às margens da MG-050, entre Juatuba e Alvinópolis, na região Central. “Meus pais e eu pescamos aqui por mais de duas décadas. Agora não temos mais coragem. Para pescar de novo só daqui uns 20 anos, e olhe lá”, diz.

Morador de Juatuba, o montador industrial Hélio Torres, de 63, garante que desde 1973 pescava espécies como mandi, piau e corumbá. “A última vez foi em dezembro. Queria ver o rio, mas agora que vim estou arrependido”.

Em Florestal, o manancial também passa no quintal da fazenda de Reinaldo Moreira, de 41 anos. Produtor de leite e queijo, ele ainda mantinha um pesque-pague. “Desde que falaram que a lama ia chegar aqui ninguém mais veio”, conta.

Incerteza

A regeneração do Paraopeba ainda é uma incógnita para pesquisadores. Fatores como a oscilação no volume de chuvas e mudanças climáticas podem interferir na capacidade de recuperação do ecossistema ao longo do curso d’água.

Coordenador do Projeto Manuelzão, Marcus Vinícius Polignano afirma ser difícil determinar o tempo exato para que o rio volte ao normal, mas garante que vai demorar. “Pensar na melhoria da qualidade da água em um prazo menor que cinco anos é impossível”. 

Outro temor é o de que a lama chegue ao rio São Francisco. Mesmo que isso não ocorra, destaca o pesquisador, o estrago já é enorme. “Perdemos um afluente importante e um ponto de captação de água que não está sendo usado, mas poderia ser útil para BH”.

Detritos

Mesmo tendo perdido velocidade, a lama segue rio abaixo chegando mais longe a cada dia. Agentes da Fundação SOS Mata Atlântica trabalham em Paraopeba, na região Central de Minas, e afirmam que os rejeitos do desastre de Brumadinho já chegaram ao local. 

Coordenadora do Programa Rede das Águas da entidade, Malu Ribeiro explica que a maior preocupação nesse momento é alertar a população ribeirinha sobre os riscos do consumo da água contaminada. “O Paraopeba é, hoje, um organismo doente”, afirma. “Com as chuvas, a aparência da água melhora, fica mais clara, mas ela não deixa de conter rejeitos e é prejudicial à saúde”, alerta a pesquisadora. 

O temor de que os rejeitos atinjam o rio São Francisco também permanece. Por meio de nota, a Agência Nacional de Águas (ANA) informou que a lama está a aproximadamente 200 quilômetros da Usina Hidrelétrica de Três Marias. “Ainda não é possível afirmar, neste momento, as consequências que advirão ou que os rejeitos provenientes do rompimento da barragem irão atingir o reservatório de Três Marias e impactar usuários de recursos hídricos localizados no rio São Francisco”, diz o documento.

Mesmo que, com o tempo, a água do Paraopeba recupere o aspecto normal, o risco de impacto ambiental não será descartado. Diretora-geral do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Marília Melo explica que metais como ferro, manganês e alumínio já foram encontrados em limites acima do permitido. 

“Todos esses metais acabam se sedimentando no fundo do curso d’água”, explica. “Vão ser necessárias análises laboratoriais para depois definirmos medidas específicas de controle”, afirma Marília.

Ações

Por nota, a Vale informou que tem usado barreiras de contenção em determinados trechos do rio Paraopeba. A técnica utiliza uma membrana que tem como objetivo de reter os sedimentos.

A empresa também destacou que está garantindo o apoio necessário para todos os agricultores e famílias afetadas, atendendo a todas as demandas que estão sendo mapeadas como, por exemplo, o fornecimento de água para consumo humano e agropecuário. De acordo com a companhia, mais de 600 mil litros de água potável já foram entregues na área rural, para atividades de dessedentação animal e irrigação. Já para consumo humano, foram cerca de 16 mil litros de água mineral. 

A reportagem tentou contato com a Associação Mineira de Municípios para falar sobre a situação das cidades atingidas, mas não houve retorno.

Fonte: Hoje em Dia

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: