Capa da Página Google corrige falha que poderia hackear Android com arquivo de vídeo - Tecnologia - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 15º MIN 29º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Tecnologia

01/08/2019 às 08:13h

Google corrige falha que poderia hackear Android com arquivo de vídeo

Facebook

O Google corrigiu uma vulnerabilidade na programação do Android que pode permitir que um celular, tablet ou outro aparelho baseado no sistema seja hackeado caso o usuário abra um arquivo de vídeo construído especialmente para essa finalidade. A brecha foi classificada como "crítica" pelo próprio Google.

O erro foi confirmado nas versões 7 (Nougat), 8 (Oreo) e 9 (Pie) do Android e corrigido no pacote de atualização de julho de 2019. Cada fabricante precisa repassar o pacote de atualização para os celulares — um processo que pode demorar.

O problema está presente no processamento de arquivos do tipo High Efficiency Video Coding (HEVC, ou "codificação de vídeo alta eficiência"). Esse formato, também conhecido como H.265, foi projetado para a transmissão de vídeo 4K e 8K. Por esse motivo, ele não é compatível com alguns modelos mais antigos de celular e não é utilizado em muitos aplicativos que trabalham com vídeos de qualidades mais baixas, como é o caso do WhatsApp.

Embora isso limite a possibilidade de certos ataques, ainda seria possível embutir o vídeo malicioso em uma página web e espalhar o link da página por WhatsApp ou outros aplicativos de mensagens, por exemplo. Os detalhes de exploração da brecha nesse cenário, no entanto, são desconhecidos.

O nível do patch de segurança instalado pode ser conferido no painel de configurações do telefone, na área de sistema, junto de outras informações sobre a versão do Android. Qualquer data anterior a "julho de 2019" ainda estará vulnerável a essa falha.

Probabilidade de ataque

Apesar da gravidade do problema, essa não é a primeira vez que uma brecha grave é encontrada no processamento de vídeos do Android. Em 2015, uma falha semelhante foi batizada de "Stagefright".

Embora muitos celulares tenham demorado a receber a atualização na época, não é conhecido nenhum ataque real que tenha se aproveitado do problema. Na prática, como o Android possui defesas que dificultam ataques reais, não é possível saber se essa nova falha será explorada ou não.

Mesmo sem ter aparecido em ataques, foi a Stagefright que motivou o Google a criar a rotina de atualizações mensais do Android que existe até hoje e permite que usuários verifiquem se já possuem ou não a atualização conferindo o "nível patch".

Fonte: G1

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: