Capa da Página Readequando algumas expressões - Cidadania - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 17º MIN 32º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Cidadania

12/07/2021 às 21:47h

Readequando algumas expressões

Facebook

Nos atuais tempos, precisamos ter muito zelo para com algumas expressões que fazemos uso, e procurar na máxima medida do possível uma reeducação de nossas falas e relacionamento com as pessoas. Vejamos algumas expressões que devermos evitar:

Expressões machistas:

1. Homem não chora 

Homens choram, sim! Expressar os sentimentos é essencial para a saúde mental. Afogar as próprias fragilidades e se recusar a procurar ajuda especializada quando necessário podem ser atos extremamente prejudiciais. 

Substitua essa expressão por “Você pode se abrir comigo” ou “Percebi que você não está muito bem, precisa conversar?”

2. Você é muito bonita para ser inteligente 

Isso reforça o estereótipo de que mulheres não podem ser bonitas e ter sucesso acadêmico/profissional ao mesmo tempo. Você pode trocar por “Parabéns pela conquista acadêmica!” ou “Acho incrível a sua carreira de sucesso!”

3. Na hora de pagar a conta, nenhuma mulher quer igualdade 

A busca pelos direitos das mulheres não tem como foco o ato de pagar uma conta. Substitua por “Vamos dividir a conta?”

4. Mulher no volante, perigo constante 

Essa frase é bastante complicada. Todos têm potencial para aprender a dirigir e não há razão para associar dificuldades com a condução de um veículo ao gênero do motorista. Melhor trocar por “Dirigir é algo que exige bastante treino e cuidado!”

5. Isso não é coisa de mulher 

Essa expressão reforça estereótipos que podem impactar a carreira profissional e acadêmica de mulheres e meninas. Até porque “coisa de mulher” pode ser ganhar 2 Prêmios Nobel, levar o homem à Lua, projetar o bote salva-vidas, lutar por educação contribuir para a ciênciaQue tal trocar por “Não importa o que você faça, desde que ame seu trabalho e dê o seu melhor!”

Expressões LGBTQIA+fóbicas 

1. Que desperdício 

Frase bem comum de ser dita ao vermos alguém que achamos bonito, mas que possui orientação sexual diferente da nossa. Podemos substituir por “Você é muito bonito(a)!”

2. Nada contra, desde que longe de mim 

Essa expressão é bastante problemática e contraditória. Por isso, deve ser evitada. Se você escutar algo assim em uma conversa, pode argumentar explicando que tratar todos com respeito e igualdade, especialmente aqueles que possuem uma trajetória de vida diferente da nossa, é essencial para uma sociedade justa

3. No meu tempo, não existia isso 

Existia, sim… Grandes personalidades, como o matemático Alan Turing (1912–1954), os músicos Freddy Mercury (1946–1991), Elton John (1947) e Renato Russo (1960–1996) são, ou foram, pessoas consideradas LGBTQIA+. O que acontecia é que os indivíduos escondiam com mais frequência sua sexualidade ou identidade de gênero por medo do preconceito. Então, que tal trocar por “No meu tempo, havia muito preconceito, que bom que as coisas estão mudando!”

4. Parece até homem/mulher de verdade 

As pessoas trans são de verdade. Além disso, não cabe a nós julgar a identidade de gênero dos outros indivíduos. Vamos trocar esse comentário por “Adorei a sua roupa!”, “Você está lindo(a)!”.

5. Você está indeciso(a)? 

Não, não está. Não devemos desprezar dessa maneira a orientação sexual e a identidade de gênero de outra pessoa. Além do mais, perguntar sobre a vida amorosa de alguém com quem você não tem intimidade pode ser um ato indelicado. Se você estiver conversando com um amigo próximo, diga algo como “E aquela pessoa de quem você gosta, como está?”. 

Expressões capacitistas

Capacitismo é a discriminação contra quem apresenta alguma deficiência. Confira como substituir termos capacitistas

1. João sem braço, que mancada, a desculpa do aleijado é a muleta 

Apesar de estarem enraizadas na língua portuguesa, essas expressões são ofensivas para pessoas com deficiência. Vamos substituir por “Você está se fazendo de desentendido(a)!” ou “Você não fez o que se comprometeu a fazer!”

2. Você faz o que muita gente não faz 

Pessoas com deficiência não são heróis por trabalharem ou desempenharem atividades cotidianas. Troque por “Você é muito bom no seu trabalho!”

3. Você até que é bonito(a)

Essa expressão reforça padrões de beleza nocivos e reproduz o estereótipo de que pessoas com deficiência não podem ser bonitas, o que é um grande preconceito. Fale simplesmente “Você é lindo(a)!”

Expressões racistas 

Existem muitos termos racistas no nosso vocabulário. Vamos mudar: 

1. Isso é serviço de preto 

Frase utilizada para dizer que alguém desempenhou determinada tarefa de forma errada. A frase é extremamente racista, pois associa o trabalho de pessoas negras a algo ruim. Troque por “Que serviço malfeito!”

2. Esses itens são vendidos no mercado negro 

Essa expressão é usada para se referir ao comércio ilegal, associando a palavra “negro” a atividades e objetos ilícitos. Logo, devemos trocar por “Isso é vendido de forma ilegal!”

3. Você está me denegrindo 

Palavra que originalmente significa tornar algo negro, mas que, no entanto, é utilizada para se referir ao ato de falar mal de alguém. Então, use “Você está me difamando!”

4. Aquela pessoa tem cabelo duro 

A expressão é utilizada para caracterizar cabelos crespos. Nada mais simples: diga “Aquela pessoa tem cabelo crespo”

5. Tenho um criado-mudo no meu quarto 

O nome do móvel vem do papel desempenhado por negros na época da escravidão, os quais ficavam ao lado da cama em total silêncio segurando itens que poderiam ser utilizados pelos donos da casa. Use “Tenho uma mesa de cabeceira no meu quarto!”

6. Isso foi feito nas coxas 

A frase é utilizada para se referir a algo sem qualidade. Tem ligação com os escravos que eram obrigados a usar suas coxas como molde para a fabricação de telhas que, como os corpos são diferentes entre si, não ficavam com formas iguais. Diga apenas “O trabalho não foi feito adequadamente!”

Por Ronaldo Galvão

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: