Capa da Página Petroleiros da Regap fazem greve de 24 horas contra plano de cortes da Petrobras - Destaques - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 20º MIN 27º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Destaques

24/07/2015

Petroleiros da Regap fazem greve de 24 horas contra plano de cortes da Petrobras

Facebook

Trabalhadores da Petrobras cruzaram os braços nesta sexta-feira para protestar contra o novo Plano de Gestão e Negócios aprovado pelo Conselho de Administração da estatal no mês passado. Desde a última semana, diversas manifestações semelhantes estão sendo feitas diariamente nas unidades operacionais da Petrobras em todo o País.

Em Minas Gerais, a mobilização começou à zero hora e há grande concentração de trabalhadores na portaria da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim, na Grande BH, com o apoio dos movimentos sociais. Também estão previstas manifestação e panfletagem na Praça Sete, no Centro de Belo Horizonte, às 10h.O objetivo das manifestações é criticar o programa de desinvestimentos da estatal, estimado em US$ 57,7 bilhões até 2018, conforme informações da Federação Única dos Petroleiros (FUP), entidade que reúne diversos sindicatos regionais e é ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Segundo a federação, a greve quer impedir a retirada de milhares de postos de trabalho caso a Petrobras ponha em prática o seu novo Plano de Gestão e Negócios - 2015/2019 - que visa o corte de US$ 89 bilhões em investimentos e despesas. "Tudo indica que, se nós não barrarmos os projetos em curso, a categoria petroleira será penalizada com cortes e reduções tanto de pessoal quanto de direitos", reforça, em nota, o Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro-MG).

Além disso, a categoria é contra o PL 131, Projeto de Lei do senador José Serra( PSDB-SP), que tramita no Senado e prevê o aumento da exploração da estatal pela iniciativa privada. "O projeto pode tirar da Petrobras o papel de operadora única do pré-sal, assim como 30% dos blocos já licitados", diz a federação. "Será menos dinheiro para educação e saúde", destaca o Sindipetro-MG.

Fonte: Estado de Minas

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: