Capa da Página Após reajuste do salário-mínimo, saiba como fica o cálculo da contribuição previdenciária - Notícias - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 18º MIN 31º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias

18/02/2020 às 08:21h

Após reajuste do salário-mínimo, saiba como fica o cálculo da contribuição previdenciária

Facebook

O reajuste do salário mínimo para 2020, que passou de R$ 1.039 para 1.045, tem reflexo direto no cálculo da contribuição paga mensalmente por cada trabalhador ao Instituto Nacional da Previdência Social (INSS). Com a correção, as novas faixas de cálculo para os pagamentos a partir de 1º de março variam de 7,5% a 14%.

Por causa da aprovação da reforma da previdência em novembro passado, essas taxas vão passar a ser progressivas, ou seja, cobradas apenas sobre a parcela do salário que se enquadrar em cada faixa, o que faz com que o percentual de fato descontado do total dos ganhos (a alíquota efetiva) seja diferente.

Para entender melhor essa situação, a reportagem do JC Notícias conversou com o advogado especialista em direito trabalhista e previdenciário, Doutor Márcio Campos. Em entrevista, ele explica sobre como ficam as novas alíquotas que o trabalhador será descontado na folha de pagamento mensal:

Clique e ouça Márcio Campos

Doutor Márcio destaca que as taxas serão progressivas ao salário-mínimo:

Clique e ouça Márcio Campos

O advogado especialista em direito trabalhista e previdenciário ressalta ainda que aqueles trabalhadores que ficarem incomodados com as altas taxas previdenciárias não tem como escapar desse tipo de cobrança:

Clique e ouça Márcio Campos

O salário-mínimo de R$ 1.045 entrou em vigor no dia 1º de fevereiro e foi a segunda vez que ele subiu no ano. Em 31 de dezembro de 2019, uma medida provisória estipulou para 2020 o valor de R$ 1.039, uma alta de 4,1%, equivalente à projeção de inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) – que considerou os valores apurados para os meses de janeiro a novembro, sem ganho real.

Ao ser divulgado em janeiro, no entanto, o indicador ficou em 4,48%, acima do estimado inicialmente. Para evitar que o salário tivesse uma correção abaixo da inflação, o presidente Jair Bolsonaro determinou uma nova alta no valor, para R$ 1.045. Essa alta, no entanto, só vale a partir de fevereiro.

*Com informações do Portal G1.

Por Henrique Silva

Fotos: JC Notícias


Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: