Capa da Página Cresce o consumo abusivo de álcool entre as mulheres - Notícias - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 16º MIN 29º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias

17/09/2019 às 08:43h

Cresce o consumo abusivo de álcool entre as mulheres

Facebook

Para alguns psicólogos o abuso de álcool está relacionado com a fuga da realidade, que pode ser um trauma de infância, problemas familiares, no relacionamento amoroso, na escola ou por amigos. Com baixa autoestima, as jovens têm que mudar o jeito de ser para se encaixar no padrão que só atingem com a bebida alcoólica e por influência de certos amigos.

Em 13 anos, o uso abusivo de bebida alcoólica aumentou no país, chegando a atingir 17,9% da população adulta. 

Entre o público feminino, considera-se uso abusivo de álcool, a ingestão de quatro ou mais doses em uma mesma ocasião, nos últimos 30 dias.A bebida alcoólica tem sido usada por mulheres na tentativa de elas vencerem a ansiedade, a timidez e a baixa autoestima.

Muitas acabam tornando-se alcoólatras ou dependentes químicas, porque sofrem com transtornos de humor, de ansiedade, síndrome do pânico, fobias diversas, estresse depois de um trauma ou, ainda, apresentam um transtorno de personalidade como o borderline.

O uso abusivo de bebidas alcoólicas é um fator de risco que contribui para a ocorrência de acidentes de trânsito e para a suscetibilidade a Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs), que abrangem câncer, doenças respiratórias crônicas e cardiovasculares, como o acidente vascular cerebral (AVC).

Independentemente da quantidade de álcool ingerido, a mulher tende a sofrer mais com as doenças hepáticas do que os homens. Mesmo ingerindo a mesma quantidade de bebida, as mulheres têm três vezes mais chances de desenvolverem cirrose.

Diante desse quadro, a reportagem do JC Notícias conversou com a psicóloga Silvia Bernardo que confirma o problema no Brasil:

Clique e ouça Silvia Bernardo

Vale ressaltar que o uso de álcool também não é recomendado para crianças e adolescentes, quando o sistema nervoso central ainda está em desenvolvimento e, portanto, suas vias neuronais encontram-se mais suscetíveis aos efeitos, podendo levar ao comprometimento de várias funções.

Por Igor Araújo


Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: