Capa da Página MG vai investir em saúde o mínimo previsto em lei até o final do ano, diz secretário de Fazenda - Destaques - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 13º MIN 36º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Destaques

11/08/2020 às 10:22h

MG vai investir em saúde o mínimo previsto em lei até o final do ano, diz secretário de Fazenda

Facebook

O Secretário de Estado da Fazenda, Gustavo Barbosa, garantiu em entrevista nesta segunda-feira (10), que Minas Gerais vai encerrar o ano com aplicação de pelo menos 12% da Receita Corrente Líquida (RCL) em saúde, como determina a lei. O estado é o que investiu menor parte da receita em saúde até agora.

No primeiro semestre, foram investidos R$ 1,9 bilhão, o que corresponde a 7,7% da receita. Para alcançar a meta de 12% até o final do ano, considerando a receita total, que está estimada em cerca de R$ 55 bilhões, serão necessários outros R$ 4,7 bilhões.

Gustavo Barbosa disse que pode ocorrer de a despesa executada pode estar abaixo de 12% próximo ao final do ano. Foi o que ocorreu em 2019. Até outubro, Minas Gerais havia alocado apenas cerca de 5% em saúde. Ainda assim, concluiu o ano com aplicação da meta estabelecida por lei.

Embora o governo tenha investido a maior parte dos recursos só nos últimos dois meses de 2019, o secretário negou que possa ter comprometido nos serviços prestados. “A quantidade de dinheiro gasta não quer dizer que tem qualidade”, afirmou.

Barbosa enfatizou ainda que o estado investiu R$ 324 milhões que não estão computados no Relatório de Execução Orçamentária. Parte deles, R$ 150 milhões, é para cumprir meta de 2018, já que o estado fechou o ano com investimento de apenas 10% da RCL em saúde.

A outra parte, R$ 174 milhões, foram recebidos da mineradora Vale, como compensação pelo rompimento da barragem B1, em Brumadinho, que terminou com 270 mortes. Onze pessoas seguem desaparecidas.

Barbosa enfatizou também que a saúde foi a única pasta que não sofreu contingenciamento, apesar da queda brusca na receita estimada para mais de R$ 3 bilhões neste ano.

“Mesmo sem dinheiro a gente consegue fazer uma gestão eficiente”, disse, reforçando que Minas foi exemplo na condução da pandemia.

Zema comenta investimentos em saúde

Mais cedo, nas redes sociais, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou que foram empenhados 16% da receita em saúde até agosto deste ano.

O governador enfatizou, na postagem, os resultados positivos no combate à Covid-19. Minas Gerais é o estado que tem menor número de óbitos por 100 mil habitantes, 17, segundo dados do Ministério da Saúde.

Fonte: G1
Foto: Agência Brasil

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: