Capa da Página PF faz buscas contra desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais suspeitos de receber propina - Destaques - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 18º MIN 27º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Destaques

18/11/2020 às 09:21h

PF faz buscas contra desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais suspeitos de receber propina

Facebook

Os desembargadores Geraldo Domingos Coelho e Paulo Cézar Dias do Tribunal de Justiça de Minas Geraissão alvos de busca e apreensão na operação Cosme do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF). A ação investiga o recebimento de propina para influenciar na solução e no andamento de processos judiciais. Ao todo serão cumpridos 10 mandados.

Segundo a PF, foram apreendidos R$ 50 mil na casa do advogado Luiz Carlos de Miranda Faria, ex deputado estadual e parte do conselho da Usiminas. Além disso, durante as buscas também foram apreendidas várias provas que colaboram para o esquema.

Ainda de acordo com a PF, são sete investigados que para conseguir os privilégios ofereciam retribuições financeiras e outras vantagens indevidas. Serão cumpridos seis mandados em Belo Horizonte, um na cidade de Ipanema, um em Engenheiro Caldas e dois no estado de São Paulo.

Além dos desembargadores, entre os alvos, está o advogado Ildeu da Cunha Pereira Sobrinho, que morreu em fevereiro deste ano. Aindafoi permitida a quebra de sigilo fiscal e bancários de vários investigados.

A operação desta quarta-feira é um desdobramento da Operação Capitu, deflagrada pela Polícia Federal em novembro de 2018 que apurou a doação irregular de dinheiro para políticos e partidos, além de um esquema de arrecadação de propina dentro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

O, então, vice-governador de Minas Gerais, Antonio Andrade (MDB), o empresário Joesley Batista, dono da JBS, e mais 15 foram presos na Operação Capitu por suposto esquema durante o governo da presidente Dilma Rousseff (PT).

A propina era paga por um grupo de empresários que se beneficiava de normativos editados pela pasta e que facilitava e viabilizava seus negócios comerciais, dando vantagens frente a outros concorrentes.

Ao analisar o material apreendido, os investigadores identificaram mensagens no telefone celular de um advogado, que indicavam a prática de diversos delitos, sendo alguns com participação de desembargadores do TJMG.

Fonte: G1

Foto: Danilo Girundi/TV Globo

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: