Capa da Página Cruzeiro x Dodô: Justiça manda clube reativar contrato com lateral-esquerdo - Esporte - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 16º MIN 30º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Esporte

CRUZEIRO MG

Cruzeiro x Dodô: Justiça manda clube reativar contrato com lateral-esquerdo

14/08/2020 às 10:20h

Facebook

A Justiça determinou que o Cruzeiro reative o contrato com o lateral-esquerdo Dodô. Na sentença da juíza Flávia Fonseca Parreira Storti, da 39ª Vara do Trabalho de BH, o clube celeste ainda é obrigado a liberar o jogador para voltar aos treinamentos na Toca da Raposa II no prazo de dez dias sob pena de multa diária de R$ 100 mil, limitada a R$ 5 milhões.

O jogador buscava a reativação do contrato com a Raposa, enquanto o departamento jurídico celeste considera o acordo lesivo ao clube e, por isso, pedia a anulação. Ainda cabe recurso.

No início de julho, o Cruzeiro anexou uma contestação ao processo protocolado por Dodô questionando uma cláusula no acordo firmado pela diretoria anterior, em que o clube celeste seria obrigado a pagar 300 mil euros à Sampdoria-ITA caso a equipe somasse 15 pontos no Campeonato Brasileiro de 2019 ou o lateral disputasse três jogos - as duas metas, obviamente, foram superadas.

Além disso, com os objetivos atingidos, Dodô assinaria contrato em definitivo com o Cruzeiro até dezembro de 2023 recebendo R$ 8,8 milhões em luvas pelo acionamento do gatilho no contrato de empréstimo. Na contestação, o clube alegou que a cláusula do acordo "beira a má-fé".

O Cruzeiro também alegou que o acordo de aquisição de Dodô foi firmado pelo ex-vice-presidente de futebol, Itair Machado que, segundo o clube, participou de uma gestão temerária, ao lado do ex-presidente Wagner Pires de Sá, e fez contratos lesivos à instituição.

Entenda o caso

Dodô chegou a se reapresentar na Toca da Raposa II no início deste ano, mas foi dispensado pelo Núcleo Dirigente Transitório, que tinha acabado de assumir o comando, como uma das ações para redução de gastos no clube. O Conselho Gestor alegou que iria liberar o lateral porque não cumpriria com o acordo firmado pela direção anterior.

Discordando da situação, no fim de março, Dodô entrou com ação na Justiça do Trabalho pedindo para que o Cruzeiro cumpra o acordo firmado pela gestão de Wagner Pires de Sá. No entanto, dois dias depois, o jogador teve o pedido de tutela de urgência negado pela juíza Luciana Alves Viotti, da 39ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte.

O pagamento seria feito ao longo de 2019 e 2020. Pelo acordo feito com a Sampdoria, Dodô chegaria ao Cruzeiro por empréstimo até o fim do ano passado e o clube celeste seria obrigado a exercer a opção de compra caso o lateral fizesse pelo menos três jogos na temporada e a equipe atingisse mais de 15 pontos no Campeonato Brasileiro – o que aconteceu.

Desta forma, a Sampdoria entende que o vínculo não existe mais e Dodô agora pertence ao Cruzeiro.

Por isso, o lateral seguiu treinando no Brasil, mas agora, além do valor milionário das luvas, Dodô quer voltar a utilizar as dependências da Toca da Raposa II. A causa tem valor simbólico de R$ 10 mil.

Contudo, além de assumir a dívida das luvas com Dodô, a antiga direção do Cruzeiro se comprometeu a pagar 300 mil euros à Sampdoria por 90% dos direitos econômicos do jogador. Mas o valor também não foi quitado com os italianos.

Pelo Cruzeiro, Dodô disputou 28 jogos e não marcou nenhum gol.

Fonte: Rádio Itatiaia
Foto: Cruzeiro

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: