Capa da Página Dirigente da Minas Arena cita oferta de pai para filho feita ao Cruzeiro e explica impasse - Esporte - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 18º MIN 23º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Esporte

CRUZEIRO MG

Dirigente da Minas Arena cita oferta 'de pai para filho' feita ao Cruzeiro e explica impasse

02/05/2020 às 08:30h

Facebook

Diretor-executivo da Minas Arena, concessionária responsável pela administração do Mineirão, Samuel Lloyd revelou a oferta, que analisou como ‘de pai para filho’, feita ao Cruzeiro nas últimas semanas para pagamento das dívidas que ultrapassam R$ 25 milhões. Ele ainda elogiou o trabalho do Conselho Gestor, que assumiu a gestão do clube após a renúncia do ex-presidente Wagner Pires de Sá, em dezembro de 2019.

“Vivemos o melhor momento (da relação com o Cruzeiro). Estamos felizes pelo Conselho Gestor ter interlocutores sérios, empenhadas em resolver questões financeiras. Eles se surpreenderam com o tamanho do problema, ninguém sabia, inclusive a própria relação com a Minas Arena”, disse Lloyd em entrevista à Rádio Itatiaia.

“Entendemos que chegamos no fim com um acordo que quitava a dívida do passado, prazo de 10 anos para pagar a dívida, uma proposta de pai para filho, com dois anos de carência, sem juros, sem correção monetária”, complementou, dando alguns detalhes da oferta. Os encontros entre Minas Arena e dirigentes da Raposa aconteceram ao longo do primeiro trimestre do ano.

Apesar da boa relação, as negociações estão paralisadas em função de um impasse por um novo acordo, conforme explicou o diretor da Minas Arena. “Chegamos a um impasse que, na nossa visão, o Cruzeiro teria de pagar 100% dos custos de utilização do estádio. O clube queria o antigo contrato, pagando 70% dos custos. O clube, agora, quer o contrato de fidelidade que tanto foi criticado e que ele mesmo não honrou no passado”, afirmou.

A relação entre Cruzeiro e Minas Arena vem sofrendo forte desgaste desde a administração do ex-presidente Gilvan de Pinho Tavares (2012-2017). Segundo números divulgados pela concessionária em 2019, as dívidas começaram ainda em 2013 e 2014, quando o clube teria deixado de pagar R$ 12 milhões. Em 2016 e 2017, R$ 12,4 milhões. Na antiga gestão, as cifras ultrapassaram R$ 2 milhões.

Procurado, o Cruzeiro não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Fonte: Super Esportes

Foto: Agência i7/Mineirão/Divulgação

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: