Capa da Página Mesmo pressionado, presidente do Cruzeiro descarta demissão de Enderson: Trocar técnico com 6 rodadas não é solução - Esporte - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 13º MIN 18º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Esporte

CRUZEIRO MG

Mesmo pressionado, presidente do Cruzeiro descarta demissão de Enderson: 'Trocar técnico com 6 rodadas não é solução'

31/08/2020 às 09:06h

Facebook

Depois de o empresário Pedro Lourenço cobrar a demissão de Enderson Moreira pela sequência negativa do Cruzeiro, o presidente Sérgio Santos Rodrigues escreveu carta aos conselheiros do clube descartando uma mudança no comando técnico da equipe. A insatisfação do patrocinador foi gravada com a derrota para o América por 2 a 1, no Mineirão, pela 6ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Durante entrevista à Rádio 91,7 nesse sábado, o empresário desabafou e disse que pediria ao presidente do clube que demitisse o treinador. "Vou ligar para ele (Sérgio Rodrigues), tem que tomar atitude. Eu apoiei ele, não vou deixar de apoiar. Se eu fosse o presidente, mandava a comissão técnica embora era hoje. E não é amanhã, não. É hoje. E o time tem que tomar atitude. Esse lenga-lenga não tem jeito de continuar", afirmou.

Em resposta aos comentários de Pedro Lourenço, Sérgio Santos Rodrigues justificou a manutenção de Enderson no cargo em carta aos conselheiros neste domingo. O Superesportes teve acesso ao conteúdo e a veracidade da mensagem foi confirmada pelo departamento de comunicação do Cruzeiro.

“Trocar técnico com 6 rodadas não é a solução. Temos que cobrar sim, porque claro que não estamos satisfeitos, mas não tem mágica. Tem trabalho e isso estamos fazendo muito”, escreveu o presidente.
 
No Cruzeiro desde março, Enderson comandou a equipe em 10 oportunidades, com seis vitórias, dois empates e duas derrotas, um aproveitamento de 66,66%. Apesar do retrospecto ser positivo, a Raposa não vence há quatro jogos: derrota para a Chapecoense (1 a 0), empate com o Confiança (1 a 1), ambos pela Série B, eliminação na Copa do Brasil diante do CRB com o empate por 1 a 1 (revés por 3 a 1 no placar agregado) e derrota neste sábado para o Coelho.
 
Além de pregar pela continuidade no trabalho de Enderson Moreira, Sérgio comentou sobre o rombo no cofres do clube causado pelas demissões dos quatro treinadores que comandaram a Raposa na temporada passada.
 
"Sobre troca de técnico, tema central do debate atual, quero lembrar de uma coisa: tivemos 4 no fim do ano passado pra fugir do rebaixamento e o que nos rendeu? 4 débitos pesados. Devemos o Mano mais de 5MM, Abel mais de 2MM, Adilson uns 600 mil e o próprio Rogério foi um acerto alto", disse o presidente.
 
Apesar da má fase, Sérgio enfatizou a gravidade dos problemas extra-campo que o Cruzeiro passa desde o fim da gestão de Wagner Pires de Sá. Mesmo assim, ele disse que tem trabalhado para montar o melhor time possível dentro das limitações financeiras do clube.
 
"(Estamos) trazendo reforços que conseguimos pagar pra não aumentar ainda mais o buraco e buscando dar condição de trabalho pra equipe. Se todos ficam chateados, imaginem a gente, na linha de frente, trabalhando 12 hs por dia pra fazer as coisas acontecerem? Os problemas extra campo ainda são MUITO maiores que os problemas em campo. Muito. Então temos que conviver com isso porque infelizmente nos fizeram chegar até aqui", desabafou.

Veja o texto da carta enviada pelo presidente

"Bom dia amigos Conselheiros.

Sempre é melhor cabeça fria pra falar. Sobre troca de técnico, tema central do debate atual, quero lembrar de uma coisa: tivemos 4 no fim do ano passado pra fugir do rebaixamento e o que nos rendeu? 4 débitos pesados. Devemos o Mano mais de 5MM, Abel mais de 2MM, Adilson uns 600 mil e o próprio Rogério foi um acerto alto.

Trocar técnico com 6 rodadas não é a solução. Temos que cobrar sim, porque claro que não estamos satisfeitos, mas não tem mágica. Tem trabalho e isso estamos fazendo muito.

Trazendo reforços que conseguimos pagar pra não aumentar ainda mais o buraco e buscando dar condição de trabalho pra equipe.

Se todos ficam chateados, imaginem a gente, na linha de frente, trabalhando 12 hs por dia pra fazer as coisas acontecerem?

Os problemas extra campo ainda são MUITO maiores que os problemas em campo. Muito. Então temos que conviver com isso porque infelizmente nos fizeram chegar até aqui.

Não tem problema. Continuaremos firmes e precisamos do apoio de todos. Não nos abalamos porque sabemos que é muito simples essa análise de “ganhou tá bom, perdeu tá ruim”.

Fonte: Super Esportes

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: