Capa da Página Primeiro robô especializado em cirurgias ortopédicas de MG é usado na capital - Tecnologia - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 6º MIN 24º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Tecnologia

11/06/2021 às 10:39h

Primeiro robô especializado em cirurgias ortopédicas de MG é usado na capital

Facebook

A tecnologia tem sido aliada de muitos profissionais de saúde para melhorar a eficiência no tratamento de pacientes. Lançada em 2000, a cirurgia robótica vem ganhando cada vez mais espaço em Minas Gerais e permite aos médicos realizarem procedimentos minimamente invasivos. Pensando nisso, o Hospital São Lucas, em Belo Horizonte, adquiriu o primeiro robô especializado em cirurgias ortopédicas no Estado.

Batizado de Rosa, o equipamento chegou em maio e está sendo utilizado em procedimentos de substituição total do joelho por próteses, tornando as intervenções mais precisas e seguras, além de contribuir para a recuperação mais rápida do paciente. Até o momento, o hospital já realizou oito cirurgias.

O robô, desenvolvido pela multinacional Zimmer Biomet, possui um sistema tecnológico considerado o mais avançado no mundo. “Por meio de um sistema intuitivo que auxilia na tomada de decisões, ele pode planejar cortes precisos e validar o local exato da prótese, impedindo folgas e garantindo o correto ajuste à anatomia do paciente. Isso contribui para a maior eficácia e segurança do procedimento", diz o ortopedista Juraci de Oliveira, chefe de Serviço de Ortopedia do Hospital São Lucas.

O ortopedista explica que o robô é colaborativo e sua principal função é ser um guia para orientar o médico sobre onde deve ser feita as intervenções ósseas, já que todo o planejamento é feito pelo médico no próprio sistema. “A gente insere as informações do paciente no sistema, o robô analisa e oferece para o médico algumas diretrizes para realizar a cirurgia. Ele calcula quanto vai cortar, o ponto espefífico e antes do médico fazer intervenções ele dá uma prévia de como vai ficar o paciente depois de operado”, ressalta.

Com procedimentos mais eficientes e seguros, quem ganha é o paciente, pois há uma redução das dores e das complicações no pós-operatório. "Quanto mais rápida é a evolução do paciente, mais cedo ele volta às suas atividades normais. O impacto dessa tecnologia vai muito além da mesa de cirurgia, pois influencia desde o planejamento da operação até a total reabilitação do paciente", afirma Juraci Oliveira.

Fonte: O Tempo

Foto: Hospital São Lucas

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: