Capa da Página Zilu terá bens penhorados para pagamento de dívida de R$ 2,3 mi - Revista - ESPACIAL FM Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 9º MIN 23º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Notícias - Revista

04/05/2021 às 08:00h

Zilu terá bens penhorados para pagamento de dívida de R$ 2,3 mi

Facebook

Zilu Camargo, ex-mulher de Zezé Di Camago, terá os bens penhorados pela Justiça de São Paulo para o pagamento de uma dívida avaliada em aproximadamente R$ 2,3 milhões, da Construmax Terraplanagem. A influenciadora digital é sócia, ao lado de Danilo Augusto Barbosa Machado e Dorival Perez. A informação foi confirmada ao R7 pelo advogado da empresária, Marcelo Saraiva.

"Essa empresa Construmax é aquela empresa que o Zezé Di Camargo e a Zilu compraram juntos, quando ainda eram casados, em sociedade com o prefeito de Cajamar-SP e um outro rapaz que trabalhava com o Zezé. A empresa foi mal-administrada pelos sócios e acabou perdendo os contratos e ficou devendo os equipamentos", disse, em contato com a reportagem.

A empresa dela teria deixado de efetuar os pagamentos de bens móveis comprados com a Epel (Empresa Paulista de Empreendimentos Ltda), em março de 2014, no valor de R$ 2.330,778,71. Entre os bens que constam no processo de cobrança estão itens como: trator de esteiras, trator de pneus, escavadeira e motoniveladora. A decisão atendeu a um pedido do credor, que teria alegado que a sociedade de Zilu estava praticando atos de dissolução.

A defesa da influenciadora digital defende, no entando, que a dívida também seria de Zezé Di Camargo, já que Zilu ainda questiona na Justiça todos os acordos de divisão de bens firmados entre eles quando o casamento chegou ao fim. Segundo Saraiva, à época do rompimento, a cliente não foi informada sobre a situação financeira do negócio.

"Na verdade, essa dívida é real, mas ela é uma dívida da Zilu e do Zezé Di Camargo. Você sabe que o processo ainda está em curso. Ele não acabou ainda. E, nesse, processo a gente pede a anulação dessa empresa, que ficou só para ela no acordo [de divisão de bens]. Ela não sabia que tinha todas essas dívidas e acabou ficando prejudicada."

Disputa na Justiça
Em 2019, Zilu Camargo entrou na Justiça para pedir a anulação de partilha de bens gerada pelo divórcio dela e do cantor Zezé Di Camargo, que foi iniciado em 2014 e concluído em 2016. De acordo com o advogado da empresária, durante os dois anos em que caso tramitou na Justiça, o sertanejo teria transferido o patrimônio e simulado situação de falência para ocultar a verdadeira fortuna que acumulou em 30 anos de carreira.

"Nós pedidos a perícia em todo o patrimônio à época e, por conta disso, os próprios filhos foram induzidos a acreditar que o pai estava falido e que dos bens que tinham, ele teria reservado para ela, com a alegação que ele perderia tudo. No entanto, foi só assinar o acordo para aparecer um vasto patrimônio, bens e inúmeras campanhas publicitárias", disse, à época Marcelo Saraiva.

Em agosto de 2020, uma decisão da juíza Natalia Assis, em primeira instância, anulou a ação que pedia, entre outras coisas, a revisão de todos os acordos de partilha de bens. Entretanto, meses depois, a defesa da empresária entrou com um recurso alegando "erros graves" na sentença.

"Certamente a decisão vai ser reformada. Ou seja, é uma batalha para cinco ou seis anos. O Zezé e o advogado dele estão cantando vitória antes do final dessa batalha. Isso é muito ruim, muito errado por parte deles. Dele talvez seja por ignorância, por parte da advogada não", afirmou.

À época, procurado pela reportagem, Zezé respondeu, por meio de nota, que estava feliz pelo que ele chamou de "vitória da Justiça". "Não estou comemorando a vitória sobre a minha ex, por quem tenho respeito e com quem tive meus três lindos filhos. Estou feliz pela vitória da Justiça e da verdade que sempre deve prevalecer", disse o sertanejo, que faz dupla com o irmão Luciano.

Para o advogado, a decisão foi quase que integralmente baseada nos depoimentos de dois dos filhos do ex-casal, Wanessa Camargo e Igor Camargo. Ambos teriam sido favoráveis à tese do pai, que, à época da separação, estaria passando por dificuldades financeiras. "A juíza entendeu que em razão de dois depoimentos, de dois filhos, que não havia ocorrido pressão, ou coação, para que houvesse a assinatura do acordo, que eu pedi que fossem anulados. Essa é a base."

Fonte: R7

Foto: AGNEWS



Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: