Capa da Página Especialista previdenciário avalia demora nos atendimentos do INSS e contratação de oficiais pelo governo - Notícias - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 12º MIN 35º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias

27/01/2020 às 08:55h

Especialista previdenciário avalia demora nos atendimentos do INSS e contratação de oficiais pelo governo

Facebook

Quem precisa dos serviços do INSS – Instituto Nacional de Seguridade Social tem enfrentado muita dificuldade para solucionar suas demandas. Isso se deve ao fato da entidade não possuir funcionários suficientes que consigam atender toda a população. Para se ter uma ideia da situação, segundo dados divulgados pela Previdência, há cerca de 2 milhões de pessoas na fila esperando para aposentarem ou serem periciados para receber o Seguro-Desemprego.

Recentemente, o Governo Federal criou um projeto de lei que visa designar oficiais para realizar atendimentos no Instituto e tentar diminuir a fila de quem está a espera. Sobre o assunto, a reportagem do JC Notícias conversou com o advogado especialista em direito trabalhista e previdenciário, Doutor Márcio Campos.

Ele comenta sobre as dificuldades enfrentadas por quem precisa ser atendido pelo INSS e está há muito tempo a espera:

Clique e ouça Márcio Campos

Doutor Márcio destaca que o governo desafogou as agências, mas tumultuou o site do INSS:

Clique e ouça Márcio Campos

O advogado especialista em direito trabalhista e previdenciário explica se a medida do governo em contratar oficiais vai solucionar o problema da demora nos atendimentos do INSS:

Clique e ouça Márcio Campos

O vice-presidente Hamilton Mourão, no exercício da Presidência devido à viagem do presidente Jair Bolsonaro à Índia, assinou na última quinta-feira (23) um decreto com regras sobre a contratação de militares da reserva para atuar em órgãos federais, informou a assessoria do Palácio do Planalto.

O decreto foi publicado em edição extra do “Diário Oficial da União” e prevê que os militares serão escolhidos em um chamamento público, de modo voluntário – ou seja, sem convocação obrigatória. Quem for chamado vai ganhar 30% adicionais sobre o que já recebe como inativo.

Por Henrique Silva


Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: