Capa da Página A caminho do Atlético: relembre a trajetória de Rodrigo Caetano no Inter - Esporte - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 16º MIN 28º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias - Esporte

ATLÉTICO MG

A caminho do Atlético: relembre a trajetória de Rodrigo Caetano no Inter

06/01/2021 às 08:18h

Facebook

Rodrigo Caetano deverá ser oficializado em breve como novo diretor de futebol do Atlético, após reunião agendada para esta quarta-feira, em Belo Horizonte. No clube alvinegro, o gestor terá pela frente um desafio bem diferente em relação ao que encontrou no Internacional, quando assumiu o cargo em maio de 2018.

Em Porto Alegre, Caetano foi incumbido da missão de reconduzir a equipe ao protagonismo perdido nos anos anteriores. O Inter havia sofrido um inédito rebaixamento em 2016; em 2017, conquistou o acesso como segundo colocado, atrás do campeão América. Os meses que antecederam a chegada do dirigente em 2018 também não foram dos melhores, com eliminações precoces no Campeonato Gaúcho e na Copa do Brasil, além de um início mediano no Brasileirão.

“É óbvio que o torcedor fica desconfiado. Não resta a menor dúvida que o torcedor tem esse direito. Cabe a todos nós aqui, todos os engajados, recuperar essa autoestima, para que o torcedor perceba que estamos em um dos maiores clubes do futebol brasileiro e mundial”, disse Rodrigo Caetano durante a entrevista de apresentação no clube gaúcho.

Ao longo da trajetória de dois anos e sete meses, concluída em dezembro de 2020, o dirigente ajudou o Internacional a retomar o posto de protagonista no futebol nacional. Os resultados não demoraram a aparecer, e o time terminou o Campeonato Brasileiro de 2018 na terceira posição - melhor desempenho da história de uma equipe que acabara de voltar da Série B.

Longevidade de Hellmann

Entre os trunfos de Caetano esteve a manutenção do técnico Odair Hellmann mesmo em momentos turbulentos. O comandante havia assumido a equipe ainda na Série B de 2017 (antes da chegada do dirigente), permaneceu no cargo até outubro de 2019 e teve papel fundamental na reconstrução colorada.

Além do terceiro lugar no Brasileiro de 2018, a parceria Caetano-Hellmann ajudou o Inter a chegar à final da Copa do Brasil de 2019. Na decisão, a equipe foi batida pelo Athletico-PR de Tiago Nunes. O insucesso no mata-mata e uma sequência negativa na Série A aumentaram a pressão sobre o treinador, que foi demitido.

Depois de Hellmann, a diretoria colorada apostou num projeto que seria, novamente, a longo prazo: Eduardo Coudet, vitorioso à frente do Racing. Antes da chegada do argentino, marcada para o início de 2020, Zé Ricardo assumiu interinamente o Inter na reta final do Brasileirão de 2019.

Relação com Coudet
Tecnicamente, a escolha por Coudet se mostrou acertada. Apesar dos insucessos nos clássicos com o Grêmio e da frustrante campanha no Campeonato Gaúcho, a equipe colorada rapidamente ficou competitiva e se colocou na briga pelo título do Campeonato Brasileiro.

Porém, fora de campo, desentendimentos com Coudet, relatados pela imprensa gaúcha, minaram a credibilidade de Rodrigo Caetano com a torcida colorada. A gota d’água foi a saída do argentino para assumir o Celta de Vigo em novembro. Em entrevista ao jornal As, da Espanha, o treinador se mostrou chateado pela forma como deixou o clube colorado, mas não deu maiores detalhes.

"Nada me frustrou no trabalho, mas a saída sim. Foi uma frustração porque é difícil para um técnico se apresentar como líder de algum lugar e, às vezes, quando você não se sente acompanhado, essas coisas costumam acontecer. São decisões pessoais que se analisa internamente", afirmou.

Quando anunciou a saída do Inter, em 23 de dezembro de 2020, Caetano negou ter rusgas com o treinador. “Minha relação com o Coudet sempre foi excelente. A gente troca mensagens, nos falamos várias vezes desde que ele chegou lá. Mas ele teve um desejo pessoal, eu tentei que ele ficasse. Creditar à diretoria a não permanência de um profissional quando ele propõe a saída não traduz a realidade”, disse.

Após a saída de Coudet, a diretoria fez uma aposta bastante criticada: a contratação de Abel Braga. Ídolo colorado, o treinador acumula maus trabalhos recentemente. A nova diretoria do clube gaúcho o manterá até fevereiro, quando Miguel Ángel Ramírez assumirá o cargo.

Construção do elenco

Ao longo de 2020, a imprensa gaúcha noticiou que um dos fatores dos supostos embates entre Coudet e Caetano foi a falta de reforços desejados pelo treinador argentino. Apesar das críticas, o elenco do Internacional é considerado um dos melhores do futebol brasileiro.

O grupo colorado ainda é formado por muitos destaques do time da Série B. Porém, algumas aquisições feitas sob o comando de Rodrigo Caetano foram fundamentais. A principal delas foi a do centroavante Paolo Guerrero, em 2018. Em 2020, chegou Thiago Galhardo, artilheiro do Campeonato Brasileiro.

Falta de títulos


Não há dúvidas que o Inter reconquistou o desejado protagonismo durante a passagem de Rodrigo Caetano. Porém, faltaram títulos na trajetória do dirigente à frente do departamento de futebol do clube. A única conquista foi a Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2020, que teve destaques como os jovens Praxedes e Caio Vidal.

“Saio com sentimento de ter honrado o compromisso proposto lá em 2018. Saio com a consciência tranquila de ter preservado os interesses do clube. Tenho certeza que o Inter seguirá sua evolução. Com a base desse elenco, mais os jovens, tem totais condições de seguir lutando até o final pelo Brasileirão”, defendeu-se Caetano, na entrevista de despedida.

No Atlético...

À frente do Atlético, Rodrigo Caetano chega com a missão de conquistar títulos. O projeto da diretoria recém-empossada, que conta com altíssimo investimento financeiro de patrocinadores, passa diretamente pela recondução do clube alvinegro aos principais troféus em disputa nos cenários brasileiro e sul-americano.

Até fevereiro, o Atlético concentra todas as atenções no Campeonato Brasileiro. Se realmente assumir o posto, Caetano precisará gerir elenco e comissão técnica, além de já pensar no planejamento para a próxima temporada - que tende a ser mais desafiadora. Afinal, a equipe provavelmente estará de volta à Copa Libertadores.

A busca por reforços será uma constante no trabalho de Rodrigo Caetano. Por aí passa a relação com o temperamental Jorge Sampaoli, que é incansável na pedida por novas contratações.

Nesse processo, o dirigente terá, ainda, que se relacionar com o presidente Sérgio Coelho, o vice José Murilo Procópio e o chamado “grupo dos quatro R’s”, formado por empresários que participam da administração do clube: Ricardo Guimarães, Renato Salvador, Rubens Menin e Rafael Menin.

Fonte: Super Esportes

Foto: Ricardo Duarte/Internacional

Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: