Capa da Página Em Brasília, prefeitos se mostram insatisfeitos após Governo Federal propor medidas que podem quebrar os municípios - Notícias - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 11º MIN 28º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias

07/07/2022 às 09:05h

Em Brasília, prefeitos se mostram insatisfeitos após Governo Federal propor medidas que podem quebrar os municípios

Facebook

Nesta semana, Brasília recebeu milhares de prefeitos de inúmeros municípios brasileiros que foram reivindicar recursos da União que podem ser suspensos após um pacote de medidas fiscais ser proposto no planalto.

A intenção do Governo Federal é de interromper a arrecadação de alguns impostos, o que, na visão dos gestores públicos, vai acarretar em falta de recursos para a manutenção dos serviços nas cidades, além de obrigar pagamentos de pisos salariais sem a especificação da fonte de custeio.

Diante da possibilidade de aprovação da PEC, a AMM – Associação Mineira de Municípios convocou os prefeitos do estado de Minas Gerais a comparecerem na mobilização encabeçada pelo presidente da entidade e também prefeito de Coronel Fabriciano, Dr. Marcos Vinícius da Silva.

Em entrevista ao Jornal da Cidade, Dr. Marcos faz um balanço positivo da agenda em Brasília e destaca os principais pontos discutidos com os políticos, entre eles, o próprio presidente da República, Jair Bolsonaro:

Clique e ouça Marcos Vinícius da Silva

O presidente da AMM comenta que caso a mobilização não surta o efeito desejado, as prefeituras podem paralisar suas atividades:

Clique e ouça Marcos Vinícius da Silva

Uma das pautas mais discutidas no encontro de prefeitos nesta semana foi a isenção da alíquota do ICMS, responsável por gerar grande volume financeiro de verba para os cofres municipais. Só em Pará de Minas, o impacto seria da ordem de R$ 11,9 milhões.

Reunindo todos os itens reivindicados pelos prefeitos, Pará de Minas poderia, em caso de aprovação do pacote citado na reportagem, um prejuízo de R$ 113,6 milhões.

Ainda não se sabe se a proposta seguirá tramitando no Congresso ou se sofrerá modificações após as manifestações dos municípios brasileiros.

Por Henrique Silva

Fotos: AMM


Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: