Capa da Página Vereadores criam comissão para apurar denúncias de possível quebra de decoro parlamentar na Câmara de Pará de Minas - Notícias - JC Notícias Capa da Página

Icone previsão PARÁ DE MINAS - 8º MIN 25º MAX

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades

Icone IconeNotícias

22/06/2022 às 08:09h

Vereadores criam comissão para apurar denúncias de possível quebra de decoro parlamentar na Câmara de Pará de Minas

Facebook

Durante a reunião ordinária dessa semana da Câmara Municipal de Pará de Minas, os vereadores criaram uma Comissão Especial Processante, responsável por apurar denúncias de possível quebra de decoro parlamentar, envolvendo as vereadoras Márcia Marzagão (PSDB) e Irene Melo Franco (PSB).

A formação da comissão ocorreu por meio de um sorteio, definindo que os membros efetivos serão os vereadores Dilhermando Rodrigues Filho (PSDB), Carlos Roberto Lázaro (Podemos) e Ronnie Barbosa (Republicanos). Já os suplentes são Serginho do JK (MDB) Luiz Lima (Cidadania) e Clebinho do Lava Jato (PSB). Os cargos de presidnete, vice e relator serão escolhidos em breve:

Em entrevista ao JC Notícias, o presidente da Câmara, Nílton Reis Lopes (MDB) explica que a criação da comissão é necessária, já que o atual Regimento Interno do legislativo municipal não prevê uma Comissão de Ética para apurar possíveis quebras de decoro parlamentar, assim como será investigado o caso das duas vereadoras:

Clique e ouça Nílton Reis

De acordo com Niltinho, já está sendo estudada a criação de um projeto para instituir o Código de Ética na Câmara de Pará de Minas, atualizando o Regimento Interno da Casa:

Clique e ouça Nílton Reis

O caso em questão ocorreu durante reunião ordinária do dia 21 de março deste ano, quando a vereadora Irene Melo Franco apresentou e-mails como provas para fazer acusações contra a colega Márcia Marzagão de um possível tráfico de influência no legislativo.

Em seguida, Márcia Marzagão se levantou e tentou obter as provas junto a vereadora Irene, que negou. Após a negativa, a vereadora do PSDB usou a Tribuna Livre da Câmara e classificou as denúncias como crime de calúnia e disse que a colega do PSB estava agindo ilegalmente, de forma imoral e maldosa para acusá-la de tráfico de influência no legislativo.

Por Sérgio Viana

Fotos: Arquivo Espacial FM


Galeria de fotos

Clique nas imagens para ampliar: